Além da melhora e agilidade na gestão do supermercado, a tecnologia apresenta benefícios aos consumidores; O Sul é a região que mais aposta em etiquetas eletrônicas para o varejo

A inauguração da nova loja da rede de Supermercados Bistek, localizada na cidade de São José, em Santa Catarina, trouxe como maior novidade a utilização de etiquetas eletrônicas de gôndola. Com o processo automatizado de precificação, a rede conseguiu reduzir em 90% a margem de erros no check-out em relação às outras 14 lojas da rede que possuem processo manual de troca de preço.

O projeto foi realizado pela Seal , empresa que atua no mercado de soluções dedicadas a processos de automação com código de barras, coletores de dados, redes sem fio e RFID. Ao todo, foram implementadas 10 mil etiquetas eletrônicas, dos modelos de segmento e outras especiais para os setores de congelados e hortifrúti.

De acordo com a diretora de TI da rede, Tatiana Goes Mendonça, a opção pela Seal ocorreu, principalmente, pelo fato da tecnologia da empresa apresentar uma comunicação bidirecional, assegurando que todas as etiquetas receberam as atualizações de preços e dados em geral. “Com este retorno do sistema conseguimos monitorar se todas as etiquetas foram alteradas corretamente, o que é fundamental para uma intervenção imediata caso haja algum problema de infraestrutura e de não atualização. Esta resposta que o sistema oferece é essencial para um melhor gerenciamento e confiabilidade”, afirma.

Segundo a diretora, outro fator importante para tomada de decisão do novo projeto foi os recursos oferecidos pelo produto da Seal, como a incorporação de informações gerenciais na etiqueta, além da possibilidade de promover promoções relâmpagos na loja. “Além de facilitar a gestão, uma vez que todas as informações do produto podem ser encontradas na etiqueta, a possibilidade de promoções instantâneas em diferentes momentos do dia gera oportunidades de negócio. Toda promoção evidenciada ajuda na decisão do cliente sobre a compra do produto”, afirma.

Em outras lojas da rede, onde o processo de precificação é manual, são necessários cerca de seis funcionários em cada unidade para a troca das etiquetas. No caso, uma pessoa é responsável pela emissão e separação das etiquetas por setor, e cada setor conta com uma pessoa responsável para fazer a troca das etiquetas, um processo que demora cerca de 1 hora. Hoje, na nova loja, com o processo automatizado, os preços dos produtos são atualizados em menos de 10 minutos e apenas uma pessoa é designada para esta função.

Consumidor confiante

Além da melhora e agilidade na gestão do supermercado, a tecnologia apresenta benefícios aos consumidores. “Para o cliente é bastante interessante, percebemos que eles estão mais confiantes em relação à precificação dos produtos. Sabemos que é extremamente desagradável quando ocorre um erro de preço. Apesar de não ser intencional, o processo manual permite a ocorrência destes erros, que são eliminados com as etiquetas eletrônicas” diz.

Por serem fixadas nas gôndolas, as etiquetas eletrônicas permitem que o layout dos produtos seja mantido na prateleira. “Observamos também uma melhor organização dos produtos, já que as etiquetas eletrônicas impedem que os produtos sejam trocados de lugar, eliminando assim o desconforto de ter um algum produto sem preço na gôndola”. Para a gerente, além da imagem de inovadora, na busca por tecnologias que agregam valor ao supermercado e aos consumidores, a loja também contribui ecologicamente, uma vez que reduziu em 100% o uso de papel em etiquetas.

“É com grande satisfação que implantamos mais este projeto na região Sul. É muito importante para o mercado brasileiro ter empresas do varejo, como a rede Bistek, investindo em soluções que inovam, promovem a confiança que o consumidor merece e valorizam seus negócios.” afirma Wagner Bernardes, diretor executivo da Seal.